Buscar

Provérbios 17 - A sabedoria instrui sobre os tolos


17:1 A tranquilidade é abençoada

“É melhor um bocado seco, e com ele a tranqüilidade, do que a casa cheia de iguarias e com desavença.


A sociedade admira muito a riqueza e o requinte, mas investe pouco nos relacionamentos. Adquira bens de consumo, faz banquetes, mas não sente alegria para usufruir dessas coisas. A felicidade não é resultado da riqueza, mas da paz de espírito. É melhor ter uma alma tranquila do que desfrutar das melhores comidas.

17:2 Melhor ser sábio do que insensato

“O servo prudente dominará sobre o filho que faz envergonhar; e repartirá a herança entre os irmãos.


É melhor ser um servo sábio do que um filho insensato, um filho que causa vergonha a seus pais ficará envergonhado e será governado pelos próprios servos de sua casa. Porém o servo prudente, trabalha com honestidade e ocupará posição de honra.

17:3 Corações provados

“O crisol é para a prata, e o forno para o ouro; mas o Senhor é quem prova os corações.

O Senhor testa os corações, não para pegar ou condenar alguém, mas como um artesão que refina a prata e o outo. O metal prova seu valor quando colocado no fogo, mesma forma uma pessoa mostra quem ela é quando provada por Deus. 17:4 Proteja seus ouvidos

“O ímpio atenta para o lábio iníquo, o mentiroso inclina os ouvidos à língua maligna.

A Palavra nos ensina que más conversas, mas corrompem os bons costumes, os maus escutam com atenção as coisas más, e os mentirosos gostam de mentiras. Mas as pessoas sábias e boas não devem se prestar a essas tolices nem gastar seu tempo com loucuras e assuntos desnecessários. O que você está ouvindo?

17:5 Não se alegre com a desgraça alheia

“O que escarnece do pobre insulta ao seu Criador, o que se alegra da calamidade não ficará impune.

Pecado não é somente o que fizemos, mas pode ser também o que deixamos de fazer. Não socorrer um necessitado quando estamos cientes de sua necessidade é um pecado de omissão. Tudo o que temos vem e Deus e Ele é quem nos concede riquezas que devem ser usadas para ajudar os desfavorecidos. 17:6 Velhice e juventude

“A coroa dos velhos são os filhos dos filhos; e a glória dos filhos são seus pais.


A consideração recíproca entre velhos e jovens é um ideal que precisa ser buscado e reafirmado em meio a tantos conflitos de gerações. É preciso saber que a vitalidade dos jovens é a continuação da vida e a experiência dos mais velhos fonte de sabedoria.


17:7 Coerência

“Não convém ao tolo a fala excelente; quanto menos ao príncipe, o lábio mentiroso.

A ida nos exige coerência, um comportamento contraditório é um escândalo público. Nossas palavras são um constante reflexo de nossa vida, nossos valores determinam nosso comportamento. Uma pessoa sensata profere palavras de sabedoria e vive da mesma maneira que fala. Um líder contraditório e mentiroso é e sempre será uma maldição para o povo a quem lidera. 17:8 Suborno

“O presente é, aos olhos dos que o recebem, como pedra preciosa; para onde quer que se volte servirá de proveito.


Algumas pessoas ficam tão enganadas e enfeitiçadas com a pratica pecaminosa que acreditam que essas ações lhe abrirão todas as portas. Muitos pensam que o crime compensa e que os desonestos sempre levam vantagem, porém o dia do julgamento sempre chega. Hora o outra essas pessoas serão desmascaradas e humilhadas. 17:9-14 Relacionamentos

“Aquele que encobre a transgressão busca a amizade, mas o que revolve o assunto separa os maiores amigos. A repreensão penetra mais profundamente no prudente do que cem açoites no tolo. Na verdade, o rebelde não busca senão o mal; afinal, um mensageiro cruel será enviado contra ele. Encontre-se o homem com a ursa roubada dos filhos, mas não com o louco na sua estultícia. Quanto àquele que paga o bem com o mal, não se apartará o mal da sua casa. Como o soltar das águas é o início da contenda, assim, antes que sejas envolvido afasta-te da questão.”

Aqui Salomão apresenta uma série de princípios claros que devem ser aplicados aos relacionamentos. 17:15 Inversão de valores

“O que justifica o ímpio, e o que condena o justo, tanto um como o outro são abomináveis ao Senhor.

A sociedade cada vez mais relativiza a moralidade, chegamos a um nível baixíssimo da degradação humana. A inversão de valores está presente em todas as esferas, porém a ética cristã não deve nunca tolerar isso. Não podemos escolher o caminho da neutralidade, precisamos nos posicionar sempre levando em conta os ensinos da Palavra. 17:16 A sabedoria não está a venda

“De que serviria o preço na mão do tolo para comprar sabedoria, visto que não tem entendimento?

Esse é um reconhecimento realista de que o ensino pode ser desperdiçado com um tolo. O versículo não está fazendo nenhum tipo de elitismo, mas reconhece que o tolo se coloca nessa situação em virtude de sua própria teimosia, ele não quer adquirir sabedoria. Não devemos jogar perolas aos porcos. 17:17 Amizade

“Em todo o tempo ama o amigo e para a hora da angústia nasce o irmão.

Um amigo é valorizado por sua constância. Existem amigos utilitários que somente irão se aproximar de você para conseguir alguma coisa, porém o verdadeiro amigo é aquele que está ao seu lado na hora mais escura de sua vida. Jesus é nosso maior exemplo de amizade, lembre-se: Ele já não nos chama mais de servos, mas nos trata como amigos. 17:18 O perigo de ser fiador

“O homem falto de entendimento compromete-se, ficando por fiador na presença do seu amigo.


Não é sábio assumirmos dívidas, ainda mais quando essas dívidas são de outra pessoa. A prudência nos ensina a fugir desse tipo de compromisso, a melhor solução para um problema é evitá-lo. 17:19-20 Consequências

“O que ama a transgressão ama a contenda; o que exalta a sua porta busca a ruína. O perverso de coração jamais achará o bem; e o que tem a língua dobre vem a cair no mal.


O estilo de vida das pessoas gera consequência. Nesse caso Salomão está alertando para a consequência do pecado: discussão. Quem está constantemente nesse tipo de situação cada vez mais se envolve em contendas perigosa. Inevitavelmente quem ama a contenda ama também o pecado 17:21 e 25 Família

“O que gera um tolo para a sua tristeza o faz; e o pai do insensato não tem alegria.

“O filho insensato é tristeza para seu pai, e amargura para aquela que o deu à luz. A família é nossa fonte de maior prazer ou a causa do nosso maior desgosto. Nossos relacionamentos mais importantes são os que cultivamos dentro da família. Pare e pense, você está sendo fonte de alegria para o seu lar?

17:22 Bom humor, um santo remédio

“O coração alegre é como o bom remédio, mas o espírito abatido seca até os ossos.


Os sentimentos que você abriga no coração refletem diretamente em sua saúde. O bom humor é um santo remédio. A paz interior é a melhor espécie de medicina preventiva, o espírito abatido murcha a vida e destruí a vontade de viver. Olham para a vida com lentes escuras e nunca conseguirão desfrutar de uma vida plena. 17:24 Energias no lugar certo

“No rosto do entendido se vê a sabedoria, mas os olhos do tolo vagam pelas extremidades da terra.


Uma pessoa inteligente não desperdiça suas energias nem seu tempo em busca de coisas vãs. Não é uma pessoa dispersivas, mas sim focada no que realmente importa. Precisamos saber o que Deus espera de nós, obter sabedoria e gastarmos nosso tempo e energia nas coisas que realmente importam. 17:26 Justiça

“Também não é bom punir o justo, nem tampouco ferir aos príncipes por eqüidade.

A palavra de Deus nos ensina que não é bom punir o justo e nem ferir aquele que está investindo de autoridade. Insurgir-se contra o justo é conspirar contra a justiça divina, a conduta do cristão deve sempre ser pautada pela integridade e nossas relações regidas pelo amor. 17:27-28 Pense antes de falar

“O que possui o conhecimento guarda as suas palavras, e o homem de entendimento é de precioso espírito. Até o tolo, quando se cala, é reputado por sábio; e o que cerra os seus lábios é tido por entendido.”


Vemos aqui mais um conselho que tem o intuito de “acalmar” as situações, trata de uma forma realista da natureza humano. Até o insensato pode conquistar algum crédito por meio do silencio. Engana-se quem pensa que esse conselho é irônico, ele é repleto de sabedoria. Quem não tem nada a acrescentar, nada deve falar.


Referências:

BRUCE, E. Comentário Bíblico NVI: Antigo e Novo Testamento. São Paulo: Editora Vida, 2008.

LOPES, Hernandes Dias. Provérbios: manual de sabedoria para a vida. São Paulo: Hagnos, 2016.

PFEIFFER, Charles. Comentário Bíblico Moody: Volume 1. São Paulo: Editora Batista Regular,2019.

KIDNER, Derek. Provérbios: introdução e comentário. São Paulo: Mundo Cristão, 1980.

WIERSBE, Warren. Comentário Bíblico Expositivo: Antigo Testamento: Volume III, Poéticos. São Paulo: Geográfica editora, 2006.

© VEM E VAMOS 
created by Danielli Cadore
 

  • Preto Ícone Spotify

DANIELLI CADORE

Obrigada por estar aqui!
me acompanhe no instagram
  • Instagram