Buscar

Provérbios 14 – A sabedoria ensina sobre o temor do Senhor

14:1 O valor da sabedoria

“Toda mulher sábia edifica a sua casa; mas a tola a derruba com as próprias mãos.

A sabedoria edifica a nosso lar, essa verdade não se aplica somente para as mulheres. um homem sábio também edifica seu lar e o insensato o destrói. Para manter um lar em harmonia e glorificando a Deus é necessário que a família busque constantemente por sabedoria. Quem não é sábio desagrega, trai, divide e separa!


14:2 A retidão

“O que anda na retidão teme ao Senhor, mas o que se desvia de seus caminhos o despreza.


O “desprezar” que o texto se refere pode ocorrer de forma inconsciente na vida de alguém, mas não é menos prejudicial por isso. Toda vez que alguém se desvia do caminho de Deus está escolhendo a sua vontade antes da de Deus.


14:3 A língua

“Na boca do tolo está a punição da soberba, mas os sábios se conservam pelos próprios lábios.


O insensato é a pessoa que fala muito, não comunica nada e se complica em tudo. Quem não é sábio tropeça na própria língua, deixa a prudência de lado e cede aos desejos do seu ego. O cuidar com as palavras é fundamental na caminhada cristã.


14:4 Arrumado, mas sem valor

“Não havendo bois o estábulo fica limpo, mas pela força do boi há abundância de colheita.


Antes de tudo precisamos saber que esse Provérbio não é um argumento em favor do desleixo físico ou moral. O que Salomão está dizendo é que a limpeza sem trabalho não é sinal de progresso, mas de estagnação. O trabalho sempre gera movimento, barulho e sujeira. Precisamos manter nossa casa limpa, mas não a custo de diminuir a alegria de ser livre dentro dos nossos próprios lares. 14:6 A sabedoria não habita na insensatez

“O escarnecedor busca sabedoria e não acha nenhuma, para o prudente, porém, o conhecimento é fácil.


Sabedoria é mais do que conhecimento. Sabedoria é o uso correto do conhecimento. Há muitas pessoas cultas que são tolas, enquanto pessoas que nunca entraram em uma universidade são extremamente sábias.


14:7 O perigo das más companhias

“Desvia-te do homem insensato, porque nele não acharás lábios de conhecimento.


Quem anda com o tolo, tolo se torna. O primeiro passo no caminho da felicidade é nos afastarmos do conselho dos ímpios, do caminho dos pecadores e da roda dos escarnecedores. É impossível viver no pecado e ao mesmo tempo ter prazer na leitura da Bíblia. 14:8 O bom senso e a tolice

“A sabedoria do prudente é entender o seu caminho, mas a estultícia dos insensatos é engano.


O prudente é aquele que busca entender o seu próprio caminho, e isso é feito à luz da Palavra de Deus, pela iluminação do Espírito Santo. O tolo é aquele que vive enganado acerca de sua identidade e do seu destino, ainda faz da vida uma corrida inglória com o propósito de enganar outras pessoas.


14:9 Quem zomba do pecado é louco

“Os insensatos zombam do pecado, mas entre os retos há benevolência.


Os retos são aqueles que reconhecem sues pecados, os confessam e os abandonam. Diferente dos ímpios, eles sentem tristeza pelo pecado cometido, não somente pela consequência do pecado. Os retos fogem do pecado, enquanto os tolos fogem de Deus para o pecado.


14:10 A vida nem sempre é fácil

“O coração conhece a sua própria amargura, e o estranho não participará no íntimo da sua alegria.


Essa palavra se refere ao íntimo do coração, Salomão está consciente das emoções e responsabilidades compartilhadas. Porém existe uma profundidade na amargura e alegria que só é conhecida internamente e individualmente.

14:11 Não construa sua casa na areia

“A casa dos ímpios se desfará, mas a tenda dos retos florescerá.

Uma casa pode ser extremamente bonita e atraente, mas, se não for construída sobre um sólido fundamento, será destruída quando a tempestade chegar. Assim é a vida das pessoas que não conhecem Deus, elas não possuem um firme fundamento. A Bíblia é clara em dizer que se o Senhor não edificar uma casa em vão trabalhou o homem. 14:12 Caminhos

“Há um caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte.

As aparências são enganosas, as coisas nem sempre são aquilo que aparentam ser. Há caminhos que parecem ser retos aos olhos, mas desembocam na morte. O diabo com sua astúcia mostra os atrativos do pecado, mas esconde as suas consequências. Quem escolhe o caminho errado inevitavelmente sofrerá as consequências.

14:13 A alegria doce-amarga

“Até no riso o coração sente dor e o fim da alegria é tristeza.


Essa passagem pode apresentar dois sentidos. (1) há tragédias na vida, da qual as risadas não oferecem nenhum escape pleno; (2) nossos humores raramente ficam livres de serem afetados por sentimentos opostos, mas nenhum deles é permanente.

14:14 Colhemos o que plantamos

“O que no seu coração comete deslize, se enfada dos seus caminhos, mas o homem bom fica satisfeito com o seu proceder.


Quem semeia maldade colherá maldade, o infiel de coração não só colhe o mal que semeou, mas faz uma abundante colheita a ponto de fartar-se. Ele semeia apenas vento, mas sua colheita é tempestade. O mal que ele cultivou no coração irá encurralar sua vida por todos os lados e aquilo que ele desejou no secreto transborda publicamente.


14: 15-17 Cautela

“O simples dá crédito a cada palavra, mas o prudente atenta para os seus passos. O sábio teme, e desvia-se do mal, mas o tolo se encoleriza, e dá-se por seguro. O que se indigna à toa fará doidices, e o homem de maus intentos será odiado.”


Temos aqui três palavras de cautela, não é por acaso que a sabedoria acumulada de todas as culturas geralmente recomenda atitudes pensadas e comedidas. É importante pausar, pensar o que se ouve, o que pode ser feito com segurança e onde o nosso temperamento é capaz de nos levar. Infelizmente pessoas que não tem essas atitudes existem por todas as partes, são conhecidas como: inexperientes, tolos e irritadiços.

14:18 O valor do conhecimento

“Os simples herdarão a estultícia, mas os prudentes serão coroados de conhecimento.

O conhecimento é o melhor tesouro que podemos acumular, os bens se dissipam, mas o conhecimento permanece. O dinheiro pode ser roubado, mas ninguém diminui o nosso conhecimento. O conhecimento é o que distingue o prudente e eleva-o a uma posição de destaque.

14:19 A recompensa da bondade

“Os maus inclinam-se diante dos bons, e os ímpios diante das portas dos justos.


As pessoas más parecem ser mais fortes, mais espertas e mais bem-sucedidas do que as pessoas boas. Porém, essa vantagem dos maus é aparente e temporária. A maldade nunca irá compensar. 14:20-21 Valores invertidos

“O pobre é odiado até pelo seu próximo, porém os amigos dos ricos são muitos. O que despreza ao seu próximo peca, mas o que se compadece dos humildes é bem-aventurado.

Os relacionamentos cada dia mais estão se tornando utilitaristas. As pessoas se aproximam umas das outras não porque desejam servir, mas porque anseiam receber alguma coisa em troca. O pobre é colocado de lado pela sociedade, mas a felicidade não está em vivermos de forma egoísta, mas em sermos compassivos e amorosos com todos que nos cercam. 14:22 Planejamento

“Porventura não erram os que praticam o mal? mas beneficência e fidelidade haverão para os que praticam o bem.


Ninguém constrói uma casa sem planta, o planejamento é a semente do futuro. Quem faz sem planejar, planeja fracassar. Essa lição não se aplica somente a coisas físicas, mas também as atitudes. Muitas vezes precisamos planejar fazer o bem.

14:23 O trabalho é sempre proveitoso

“Em todo trabalho há proveito, mas ficar só em palavras leva à pobreza.


Na nossa cultura sábio é quem enriquece rápido e sem esforço, porém essa lógica não pertence a Deus. O trabalho é bom, não deve ser visto como um fardo. E as pessoas que querem enriquecer à custa das outras devem refletir se não estão abusando do trabalho dos mais pobres. 14:26-27 O temos do Senhor

“No temor do Senhor há firme confiança e ele será um refúgio para seus filhos. O temor do Senhor é fonte de vida, para desviar dos laços da morte.”


Temos aqui dois ditados acerca do temor do Senhor, gerando fortaleza segura e vida. A confiança deve estar arraigada firmemente na certeza da vida que vem a partir do temor ao Senhor. 14:28-29 O rei

“Na multidão do povo está a glória do rei, mas na falta de povo a ruína do príncipe. O longânimo é grande em entendimento, mas o que é de espírito impaciente mostra a sua loucura.


Aqui começam os primeiros de muitos provérbios acerca do rei, é provável que eles reflitam a própria experiencia de Salomão.

14:30 Paz de espírito

“O sentimento sadio é vida para o corpo, mas a inveja é podridão para os ossos.


Uma pessoa invejosa é aquela que se perturba com o sucesso dos outros. Ela não consegue se alegrar com o que tem, mas se entristece pelo que o outro tem. O invejoso nunca é e nunca será feliz. Já a paz de espírito dá saúde ao corpo.

14:31 O cuidado com os desfavorecidos

“O que oprime o pobre insulta àquele que o criou, mas o que se compadece do necessitado o honra.


Um dos atributos de Deus é a justiça. Ele é justo em tudo o que faz e abomina a injustiça. Ele julga a causa de todos os pobres e oprimidos. Quem oprime o pobre por ser ele fraco, sem vez e sem voz está agindo contra si mesmo. Cristão, você tem um dever com os pobres! 14:32 A esperança do justo

“Pela sua própria malícia é lançado fora o perverso, mas o justo até na morte se mantém confiante.


A confiança que um justo tem, até a hora de sua morte não pode ser eliminada. A ancora do justo está firmada numa rocha que nunca será abalada. Quem é justo sempre terá uma viva esperança. Mesmo na hora da morte ele sabe quem é seu redentor.


14:33 O coração do prudente

“No coração do prudente a sabedoria permanece, mas o que está no interior dos tolos se faz conhecido.


A maldade escondida dos insensatos sempre virá a tona, mas no coração prudente repousa a sabedoria e ele pode viver tranquilamente sabendo que não tem nada a esconder.

14:34 Uma nação envergonhada

“A justiça exalta os povos, mas o pecado é a vergonha das nações.

Quanto mais uma nação peca, mais ela será oprimida e sofrerá. Uma nação não é maior que seus valores morais, se ela promove o pecado então sua ruína já está escrita. A justiça não deve estar somente no papel, ela deve estar presente em toda a nação, incluindo na liderança.

14:35 A recompensa da prudência

“O rei se alegra no servo prudente, mas sobre o que o envergonha cairá o seu furor.

O sucesso e o fracasso dos nossos relacionamentos dependem muito de quem somos. Mais uma vez vemos um exemplo de que colhemos o que plantamos. Devemos honrar as autoridades que estão sobre nossa vida, isso significa que elas devem ser tratadas com amor e respeito. Porém nunca devemos nos silenciar diante dos atos errados das autoridades que nos cercam, ou fecharmos os olhos para suas falhas.


Referências:

BRUCE, E. Comentário Bíblico NVI: Antigo e Novo Testamento. São Paulo: Editora Vida, 2008.

LOPES, Hernandes Dias. Provérbios: manual de sabedoria para a vida. São Paulo: Hagnos, 2016.

PFEIFFER, Charles. Comentário Bíblico Moody: Volume 1. São Paulo: Editora Batista Regular,2019.

KIDNER, Derek. Provérbios: introdução e comentário. São Paulo: Mundo Cristão, 1980.

WIERSBE, Warren. Comentário Bíblico Expositivo: Antigo Testamento: Volume III, Poéticos. São Paulo: Geográfica editora, 2006.

© VEM E VAMOS 
created by Danielli Cadore
 

  • Preto Ícone Spotify

DANIELLI CADORE

Obrigada por estar aqui!
me acompanhe no instagram
  • Instagram