COISAS SIMPLES E O PERDÃO DE JESUS

Sei que nem sempre é fácil, mas se você tem condições de fazer, não despreze o seu cuidado pelas suas coisas - esse cuidado não é fútil. Coisas triviais como lavar as roupas, arrumar a casa, enfeitá-la, do seu jeito, são simples, mas não são banais.


Não é apenas uma questão de zelar pelo que Deus lhe deu, mas também de viver a simplicidade do cotidiano. Talvez você tenha alguém que faça essas coisas por você, caso tenha, faça questão de participar da organização da sua própria casa, mesmo que contribuindo pouco, faça questão de prestar atenção nas coisas simples que se referem ao seu lar, e ao seu trabalho - nos faz bem tirar os pensamentos de questões mais complexas por alguns momentos, e nos dedicarmos às mais simples. Também é bom passar algum tempo com nossos bichinhos de estimação (se gostamos de animais), ou observar o céu, a Natureza. Nos debruçarmos a fazer coisas simples, mesmo em meio a rotinas corridas e incomuns, são ações que cooperam a nos esvaziarmos de nós mesmos. (Tito 2:3-5; Provérbios 31:15;27; Filipenses 2.5-7; Mateus 6:26-28)


Jesus, o Deus de toda a terra, o Verbo que se fez carne, viveu como um homem simples, apesar da sua rotina incomum, ele também preparou o café da manhã para ele e os seus discípulos, amigos. Imagine, ele preparando as brasas, tratando os peixes, assando os pães na beira da praia enquanto esperava seus amigos. (João 21.9)


Jesus se dispôs a preparar a refeição: peixes e pães assados. Quando seus amigos chegaram já estava tudo pronto, mas ainda assim Ele não rejeitou os outros peixes que eles apanharam na pesca, ao contrário, Ele mesmo pediu essa contribuição. E, assim que chegaram à praia os chamou para comer, e os serviu. O mais interessante é que essa cena aconteceu depois dele ter sido abandonado por esses mesmos amigos. Jesus foi abandonado por seus amigos, negado por um e, traído por outro.


Apesar disso tudo, resolveu preparar uma refeição para eles e dividir o pouco que naquele momento decidiu repartir, também como sinal de que os havia perdoado. Antes disso, no primeiro momento em que Jesus foi se encontrar com seus amigos, após a Sua ressurreição, disse: "Paz seja com vocês! Enquanto falava, mostrou-lhes as feridas nas mãos e no lado." (João 20.19-20). Ele mostrou as marcas de suas feridas àqueles que o haviam abandonado - mostrou as marcas das feridas cicatrizadas. Ele não precisou falar sobre o processo de cicatrização - mostrar as cicatrizes foi suficiente para que eles (e nós) entendessem que Suas feridas já estavam saradas. Nem sempre precisamos falar das nossas cicatrizes, a forma como agimos revela se nossas feridas da alma já foram curadas ou não. Nossas ações demonstram se perdoamos aqueles que nos feriram, ou se não perdoamos.


Os amigos de Jesus não precisaram pedir perdão à Ele (naquele momento específico), pois na Presença de Jesus eles sabiam que já haviam sido perdoados - apenas receberam o Seu presente, a graça de ter o Seu perdão. Em resposta a esse favor, imerecido, que Jesus dispensou a eles, demonstraram frutos de arrependimento, comprovando verdadeiramente que tinham se arrependido do que fizeram. Jesus resolveu uma questão complexa para nós - demonstrar perdão - de uma forma simples: servindo.