19 -Isolados, mas não distantes

Como é bom e agradável quando os irmãos convivem em união! Salmos 133:1


A pandemia trouxe para o mundo a necessidade do isolamento e do distanciamento entre as pessoas, no entanto, o isolamento físico não precisa significar um isolamento social por completo. Deus nos criou para vivermos em sociedade e para nos relacionarmos uns com os outros. Viver sozinho vai contra os ensinamentos que encontramos na Palavra de Deus (“E consideremos uns aos outros para nos incentivarmos ao amor e às boas obras. Não deixemos de reunir-nos como igreja, segundo o costume de alguns, mas procuremos encorajar-nos uns aos outros, ainda mais quando vocês veem que se aproxima o Dia.” Hebreus 10: 24-25) e pode trazer consequências ruins para nossa vida pessoal e espiritual.


Quando estamos em contato com o corpo de cristo, precisamos entender que todas as pessoas possuem falhas e estão suscetíveis ao erro, ainda que, em nossa mente, isso pareça inconcebível. O único digno de plena confiança é Deus, logo, não podemos depositar nossas expectativas em homens pecadores. No entanto, mesmo que as pessoas tenham nos magoado ou nos ferido, se isolar nunca é o caminho. Quando nos afastamos das pessoas e nos isolamos, ficamos mais vulneráveis e suscetíveis aos ataques de satanás. Nossa mente e nosso coração começam a se encher de maus pensamentos (tristeza, depressão, ideias suicidas), começamos a nos sentir sozinhos, abandonados, insignificantes, passamos a encobrir nossos pecados ao invés de buscar a cura (Portanto, confessem os seus pecados uns aos outros e orem uns pelos outros para serem curados. A oração de um justo é poderosa e eficaz. Tiago 5:16 ) e, consequentemente, nos afastamos do Senhor.


A comunhão consiste em harmonia no modo de pensar, sentir e agir. Consiste em uma relação de compartilhamento, em amar e cuidar uns dos outros, tendo um objetivo em comum: a obra de Deus. Apesar dos grandes contrastes de personalidade, gostos, ideias, cultura e nacionalidade, todos fazemos parte do Corpo de Cristo.


Quando temos comunhão com nossos irmãos na fé, encontramos coragem e ânimo para enfrentar as dificuldades, problemas e aflições que surgem durante a jornada. Com eles, podemos compartilhar nossas experiências e lembrar tudo aquilo que Deus já fez por nós. A partir da comunhão somos edificados na fé, obtemos sábios conselhos, aprendemos a lidar com as diferenças e a praticar o perdão. A comunhão nos ajuda a crescer em amor, generosidade, maturidade e fé.


Não poder estar junto fisicamente não significa que devemos permanecer distantes. Hoje temos inúmeros recursos e plataformas on-line para que possamos nos manter em contato uns com os outros. Ainda que não seja o ideal, os cultos, células e encontros on-line podem nos ajudar muito a permanecermos firmes na fé, compartilhar nossas tristezas e alegrias, além de trazer um renovo aos nossos corações. Vamos juntas?


Por Maria Eduarda Batistetti