17 - Sê tu uma bênção


“Então o Senhor disse a Abrão: ‘Saia da sua terra, do meio dos seus parentes e da casa de seu pai, e vá para a terra que eu lhe mostrarei. Farei de você um grande povo, e o abençoarei. Tornarei famoso o seu nome, e você será uma bênção’”. (Gênesis 12:1-2).


Abrãao é um grande exemplo bíblico que nos ensina sobre recomeço. Ele já era avançado em idade quando foi chamado por Deus. As suas experiências de vida e os costumes que adquiriu da sua família e povo, provavelmente, já tinham formado nele padrões de “como a vida deveria ser”. Mas Deus o chamou para recomeçar sobre um caminho totalmente diferente daquele que ele já dominava e conhecia.


O Senhor chama Abrãao fazendo a promessa de que o abençoaria, mas algo interessante a refletir é que, antes mesmo do Senhor se revelar a ele, Abrãao já possuía muitos servos, bens e riquezas. Talvez ele já fosse considerado um exemplo de prosperidade.


“Partiu Abrão, como lhe ordenara o Senhor, e Ló foi com ele. Abrão tinha setenta e cinco anos quando saiu de Harã. Levou sua mulher, Sarai, seu sobrinho Ló, todos os bens que haviam acumulado e os seus servos, comprados em Harã; partiram para a terra de Canaã e lá chegaram”. (Gênesis 12:4-5).


Se Abrãao já possuía todas essas coisas, como pôde Deus ter o chamado, prometendo que o abençoaria? Já não seria ele abençoado? A Bíblia nos leva a entender que não. Porque a prosperidade bíblica pode até incluir riquezas, mas não é apenas isso.


Apesar de todas as coisas que já havia alcançado, Abraão ainda não vivia a plenitude da bênção, pois, até então, não conhecia o propósito estabelecido pelo Senhor para a sua vida e não fluía na direção desse mesmo propósito. E essa é a verdadeira prosperidade de vida, viver exatamente aquilo que Deus nos vocacionou para ser.


Podemos ver isso, por exemplo, com Adão e Eva, na narrativa da Criação, “Deus os abençoou, e lhes disse: "Sejam férteis e multipliquem-se! Encham e subjuguem a terra! Dominem sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu e sobre todos os animais que se movem pela terra"(Gênesis 1:28).


Quando Deus os abençoou é como se Ele estivesse dizendo, “Adão e Eva, eu estou lhes dando um propósito de vida e a condição para cumpri-lo. Vão e vivam de acordo com ele, para o que foram criados”.


Podemos aprender também que ser prospero ou abençoado é ser fértil e frutífero. E para que serve o fruto de uma árvore, senão para alimentar outros? Por isso, ao chamar Abrãao, o Senhor disse que, não somente ele seria abençoado, mas que ele também abençoaria, ou melhor, que faria dele a manifestação da bênção, na qual seriam benditas as nações! Porque a prosperidade do Senhor tem um propósito que vai além de nós. Ela se multiplica para alcançar um final especifico: que Deus seja conhecido entre todos os povos.


Recomeços podem mesmo ser dolorosos e difíceis. Creio que não foi fácil para Abrãao, no entanto, levou-o a ser chamado de o “pai da fé”. Que também nós, pela fé, estejamos dispostos em obedecer a ordem do Senhor para uma nova direção sempre que necessário. Direção na qual de fato viveremos o Seu propósito, receberemos a plenitude da bênção e faremos o nome dEle reverenciado.


Que as nossas metas e planos de vida estejam baseados nessa prosperidade original que não é egoísta e que não está condicionada apenas àquilo que se pode ver, mas sim, “Que Deus nos abençoe, e o tema todos os confins da terra” (Salmos 67:7).


Por Jeane Chaves Ramos