UMA SÓ MENTE, UM SÓ PROPÓSITO


“Que Deus, aquele que concede paciência e ânimo, os ajude a viver em completa harmonia uns com os outros, como convém aos seguidores de Cristo Jesus”. (Romanos 15:5 NVT)


O verso acima, que procede de uma das cartas mais abrangedoras da mensagem do evangelho escrita pelo apostolo Paulo, nos soa como um pedido, uma prece, uma oração para que os irmãos de Roma acima de tudo perseverassem na unidade entre si.


Quando levamos em conta o capítulo anterior, se prestarmos atenção, veremos que este versículo é como um desfecho de uma questão que parecia estar acontecendo entre os cristãos romanos. Eles assim como nós, possuíam opiniões diferentes sobre determinados assuntos espirituais e Paulo os instrui a não se envolverem em discussões sobre quem está certo ou errado a ponto de perderem de vista o alvo mais importante: a harmonia e a edificação uns dos outros (Rm. 14:19).


Viver em paz e unidade é mais que um desafio, é uma escolha. Não depende apenas de termos personalidade cordata, ou da nossa capacidade em sermos longânimes e compreensivos uns com outros, é preciso a ajuda do Senhor a conduzir nossos corações cheios de orgulho e justiça própria a possuir a mesma atitude de humildade e mansidão de Cristo.

Somos conhecidos e chamados diante de Deus de maneira única e pessoal, mas assim como um corpo que possui vários membros distintos entre si só possui funcionalidade e vitalidade quando esses diferentes membros se submetem a um mesmo comando, nós precisamos nos direcionar e submeter a uma mesma mente e propósito. (Fp. 2:1-2)


A glória de Deus se manifesta por meio da unidade. Não são raras as vezes que encontramos nas Escrituras referências sobre isso. Logo não somos reconhecidos somente como ovelhas, mas também como rebanho. Não somos apenas membros, fomos feitos corpo. Não somos só crentes, somos a Igreja! Até nosso Deus é triúno: três (Pai, Filho e Espírito) que se movem em unidade e perfeita harmonia.


Jesus rogou por nós: “Minha oração é que todos eles sejam um, como nós somos um (...)eu dei a eles a glória que tu me deste, para que sejam um, como nós somos um(...)que eles experimentem a unidade perfeita, para que todo o mundo saiba que tu me enviaste e que os ama tanto quanto me amas”. (João 17:21-23).


E agora é nossa vez. Em tempos de tantas divisões em nossa nação precisamos intensificar nossa oração por um espírito de unidade. Precisamos treinar e aperfeiçoar isso em nosso caminhar como cristãos. Viver tal coisa não significa que as nossas diferenças cessarão, mas que não nos deixaremos distrair por elas, perdendo foco da vida em glorificação a Deus e do testemunho do seu Filho ao mundo que se revela em nossas ações, comportamentos e palavras.