03 - Se comer ou se beber, de Deus seja o engrandecer

O que sempre se pergunta quando se trata de liberdade é a seguinte indagação: quais seriam os limites da liberdade cristã, se tudo nos é permitido, mas nem tudo nos convém fazer? Como então saber discernir se a balança da nossa vida está equilibrada ou se pende para um lado mais que o outro? Foi nesse sentido que Paulo escreveu aos irmãos na primeira carta aos Coríntios.


“Sim ‘tudo me é permitido’, porém nem tudo é proveitoso. Sim, ‘todas as coisas são lícitas’, contudo, nem todas são edificantes. Ninguém deve buscar o seu próprio bem, mas o bem do seu próximo. Comei de tudo o que se vende no mercado, sem questionamentos por causa da consciência. Porquanto ‘do Senhor é a terra e tudo o que nela existe’. Se, portanto, algum descrente vos convidar para uma refeição e quiserdes ir, comei de tudo que vos for servido, sem nada questionar por motivo de consciência. Mas, se alguém vos prevenir: “isto foi oferecido em sacrifício”, nesse caso, não comais, por causa daquele que vos avisou e por motivo de consciência. Não me refiro à vossa própria consciência, mas da consciência da outra pessoa. Pois, por que a minha liberdade deve ser julgada pela consciência dos outros? Se participo da refeição com ação de graças, por que sou condenado por algo pelo qual posso dar graças a Deus? Assim, seja comendo, seja bebendo, seja fazendo qualquer outra coisa, fazei tudo para a glória de Deus. Não vos torneis motivo de tropeço nem para judeus, nem para gregos, nem para a Igreja de Deus. Também eu procuro agradar a todos, de todas as maneiras possíveis. Porquanto não estou em busca do meu próprio bem, mas procuro o bem de muitos, para que sejam salvos.” (1 Coríntios 10:23-33).


Por mais que o assunto tratado no devocional deste dia seja a gula como um pecado em si, a Palavra de Deus trazida por Paulo nos versículos acima nos cabe muito bem.


Paulo está a exortar os irmãos sobre a necessidade de glorificar a Deus em quaisquer circunstâncias da vida, até nas mais simplórias como é o caso da alimentação. Ele nos ensina a buscar o equilíbrio para que estejamos em consonância com as Escrituras e para que possamos, através dos nossos atos, dar bons frutos e ajudar a florescer os que estão à nossa volta.


Se você rebuscar a sua consciência e sentir que está caindo no engano da glutonaria, peça a Deus sabedoria e Ele te concederá. Nós sabemos o quanto pode ser difícil deixar alguns maus hábitos para trás e seguir com uma vida equilibrada.


Como cristãos, precisamos, em primeira circunstância, cuidar do nosso corpo físico e mortal também, porque ele nos foi dado como bênção. Nosso corpo é um presente do Senhor. Nosso corpo tem certos limites que não podem ser cedidos. Precisamos cuidar da morada do nosso espírito com zelo, buscando sempre o equilíbrio em todas as áreas.


Se você, minha amada irmã, sente dificuldades em controlar a quantidade de alimentos que ingere, chegando a cometer o pecado da gula, peça orientação a Deus para que te ajude e, além disso, procure conversar com alguém para que possa te auxiliar e para que a sua saúde vá bem e tudo esteja em paz.


Por Thatyane Pereira