top of page

Mateus 6.16-18 – Como jejuar

6.16-18 O jejum que agrada a Deus

"Quando jejuarem, não mostrem uma aparência triste como os hipócritas, pois eles mudam a aparência do rosto a fim de que os homens vejam que eles estão jejuando. Eu lhes digo verdadeiramente que eles já receberam a sua plena recompensa. Ao jejuar, ponha óleo sobre a cabeça e lave o rosto, para que não pareça aos outros que você está jejuando, mas apenas a seu Pai, que vê no secreto. E seu Pai, que vê no secreto o recompensará.”


No trecho que estudaremos hoje, Jesus aborda o assunto do jejum e, seguindo a mesma tônica dos estudos sobre a oração e sobre ajudar o próximo, enfatiza a importância de nossas ações glorificarem a Deus e não buscarem a glória de homens. Todas as atitudes relacionadas à vida cotidiana dos seguidores de Jesus devem ser feitas para Deus.


No Antigo Testamento, o único jejum exigido era o da expiação anual (Lv 23.27), ou seja, um dia de jejum no ano. No entanto, nos tempos de Jesus, era comum que os fariseus jejuassem com bastante frequência, mais de uma vez por semana, e esse jejum tinha o objetivo de ser visto publicamente, e não de se aproximar de Deus.


Da mesma forma que a oração e a ajuda aos pobres, o jejum era uma prática boa. Deus não condena a prática do jejum, mas condena a maneira como ele era feito. Entendemos a partir disso que é possível se abster de algo, sem que isso seja um jejum feito de acordo com a Palavra de Deus.


O que Jesus ensina sobre o jejum é que ele não deve ser realizado de maneira a evidenciar o praticante do jejum. Naquela época isso era feito através da demonstração de uma aparência triste, com o cabelo desarrumado e sem lavar o rosto. Se constantemente buscamos maneiras de mostrar para os outros a nossa piedade, devemos tomar cuidado, e observar se temos verdadeiramente vivido como seguidores de Jesus.


Após aprendermos sobre a maneira incorreta de praticar o jejum, podemos aprender a maneira correta de como jejuar. A fala de Jesus deixa claro que o jejum faz parte da vida cristã, ele é uma atitude esperada daqueles que fazem parte do povo de Deus.


O jejum não tem como objetivo receber algo, seja alguma benção, resposta de Deus, ou a conformação de Deus à sua vontade. O jejum não é uma moeda de troca, não há nada que podemos fazer para mover a mão de Deus. O objetivo do jejum é nos aproximarmos de Deus e sermos moldados à sua vontade.


O jejum, em primeiro lugar, ajuda a controlar o apetite do corpo, e evidencia a prioridade de servir ao Senhor antes de pensar em se saciar. Em segundo lugar, mantém a prioridade espiritual de não se preocupar com o que comer, mas sim em se relacionar com Deus. E em terceiro lugar, evidencia a nossa fragilidade e dependência de Deus, o que aponta para a Sua grandeza.


O jejum coloca as nossas necessidades básicas de lado para nos aproximarmos de Deus, e finalmente nos leva a compreender que o nosso principal alimento, que nos sustenta nessa terra, é o Senhor e fazer a vontade do Senhor. Não tenha medo de jejuar, mas cultive essa prática da maneira ensinada por Jesus, sem barganhar e sem buscar a admiração dos outros.


Autoria: Danielli Cadore

Revisão: Rafael Loureiro





BÍBLIA DE ESTUDO DA FÉ REFORMADA. Tradução de João Ferreira de Almeida – Edição Revista e Atualizada. São Paulo: Editora Fiel, 2021.

FERGUSON, Sinclair. O Sermão do Monte. São Bernardo do Campo: Editora Trinitas, 2019.

LLOYD-JONES, D. Martyn. Estudos no Sermão do Monte. São Paulo: Editora Fiel, 1984.

PFEIFFER, Charles. Comentário Bíblico Moody: Volume 2. São Paulo: Editora Batista Regular, 2019.

PINK, A. W. As Bem-aventuranças. São Paulo: O Estandarte de Cristo, 2022.

WESLEY, John. Comentário Bíblico.

WESLEY, John. O Sermão do Monte. São Paulo: Editora Vida, 2012.

WIERSBE, Warren. Comentário Bíblico Expositivo: Novo Testamento: Volume I. São Paulo: Geográfica editora, 2006.

Комментарии


bottom of page