26 - Bem-aventurados são os mansos

Uma das maiores virtudes do ser humano é viver uma vida em constante equilíbrio. O homem equilibrado não se ira facilmente, não se deixa levar por vãos pensamentos. Ele sabe esperar a hora certa para agir. Assim é quem confia no Senhor: manso, pois sabe que herdará o Reino dos céus.


Mas eu digo a vocês que estão me ouvindo: Amem os seus inimigos, façam o bem aos que os odeiam, abençoem os que os amaldiçoam, orem por aqueles que os maltratam. Se alguém bater em você numa face, ofereça-lhe também a outra. Se alguém tirar de você a capa, não o impeça de tirar a túnica”. (Lucas 6:27-29)


Existem dias em que acordamos, como eu digo, sem um pingo de paciência. E é natural que haja dias assim, em que parece que vamos explodir de tanto estresse e nervosismo. É natural porque somos demasiado humanos, e tais sentimentos fazem parte da nossa rotina. A questão é: o que eu faço com a raiva que sinto? Não podemos permitir que o estresse nos domine e nos faça perder o equilíbrio. Quando a gente perde o equilíbrio, a gente cai, e quando a gente cai, sem nem se dar conta, a gente peca. E quando isso acontece, o Espírito de Deus se entristece.


Portanto, como povo escolhido de Deus, santo e amado, revistam-se de profunda compaixão, bondade, humildade, mansidão e paciência. Suportem-se uns aos outros e perdoem as queixas que tiverem uns contra os outros. Perdoem como o Senhor lhes perdoou. Acima de tudo, porém, revistam-se do amor, que é o elo perfeito”. (Colossenses 3:12-14)


“Mas o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio. Contra essas coisas não há lei”. (Gálatas 5:22-23)


Certa vez, quando eu era uma pré-adolescente, houve um episódio de bullying na escola e eu acabei levando um tapa na cara de uma colega de turma. Sabe qual foi a minha reação? Eu ofereci a outra face! Na época, eu senti muita fúria, porque todos os meus colegas presenciaram e riram de mim. Mas hoje, quando lembro dessa situação, só sei sorrir de graça e alegria, porque eu só tinha doze anos, mas já havia aprendido a cultivar em meu interior os frutos do Espírito.


Imagina só se eu tivesse revidado ao tapa que recebi? Teria ido juntamente com a colega para a sala de correção de comportamento e levando uma bronca. Mas não! Mesmo a minha inocência – tola para quem não entendia – eu me lembrei das palavras do nosso


Senhor Jesus Cristo: “Bem aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra.” (Mateus 5:5)


Por Thatyane Pereira