Buscar

20 - Bondade excelente


A manifestação do fruto do Espírito em nossas vidas é um privilégio que temos, enquanto cristãos, de ainda na nossa experiência humana vivenciar virtudes que pertencem ao próprio Deus. Esse fruto não se trata de sentimentos ou atitudes naturalmente humanas, mas algo do nosso Pai celeste compartilhado conosco, que nos conduz a encarar a vida, agir e reagir de maneiras totalmente inversas do que provavelmente faríamos enquanto homens e mulheres, regidos pela nossa vontade pecaminosa.


Uma dessas virtudes que o fruto nos proporciona experimentar, de uma maneira totalmente nova do que estamos acostumados, é a bondade, “mas o fruto do Espírito é (...) bondade.” (Gálatas 5:22).


Essa bondade não é no sentido de nos considerarmos bons, ou seja, melhores do que o outros, também não diz respeito apenas às ações generosas que praticamos por vezes, é algo ainda mais excelente! O Salmo 103:8-10 diz:


“O Senhor é compassivo e misericordioso, mui paciente e cheio de amor. Não acusa sem cessar nem fica ressentido para sempre; não nos trata conforme os nossos pecados nem nos retribui conforme as nossas iniquidades.”


A bondade à luz do fruto do Espírito, trata-se dessa própria bondade de Deus manifesta agora também através de nós, os seus filhos. É um convite para, assim como nosso Deus, estendermos graça. E a bondade dEle não depende de merecimento, pelo contrário, “Ele faz nascer o sol sobre os maus e os bons” (Mateus 5:45) da mesma maneira, a Sua graça está estendida sobre todos, independentemente de obras.


Jesus, em um de seus maiores ensinos, conhecido como o Sermão da Montanha, nos instruiu sobre como exercitar genuinamente essa verdadeira bondade a que somos encorajados agora:


"Vocês ouviram o que foi dito: ‘Olho por olho e dente por dente’. Mas eu lhes digo: Não resistam ao perverso. Se alguém o ferir na face direita, ofereça-lhe também a outra. E se alguém quiser processá-lo e tirar-lhe a túnica, deixe que leve também a capa. Se alguém o forçar a caminhar com ele uma milha, vá com ele duas. Dê a quem lhe pede, e não volte as costas àquele que deseja pedir-lhe algo emprestado. Vocês ouviram o que foi dito: ‘Ame o seu próximo e odeie o seu inimigo’. Mas eu lhes digo: Amem os seus inimigos e orem por aqueles que os perseguem, para que vocês venham a ser filhos de seu Pai que está nos céus. Porque ele faz raiar o seu sol sobre maus e bons e derrama chuva sobre justos e injustos”. (Mateus 5:38-45).


Pelo fruto do Espírito somos movidos a sermos bons, não apenas para com aqueles que também são conosco, mas desafiados a agir com bondade principalmente com aqueles que nos fizeram mal. Isso é estender graça, e isso testifica o nosso fruto e que estamos andando conforme o Espírito e não à carne (Gálatas 5:25), ou seja, totalmente na contramão do mundo e da nossa natureza humana caída.


Algo interessante em notar, é que as virtudes do Espírito geralmente são voltadas, não para benefícios de nós mesmos, mas ao serviço do nosso próximo, como a bondade. Com isso, somos chamados a aplicá-la em nossos relacionamentos por meio do perdão, da ajuda, do socorro, da generosidade, não por merecimento de quem recebe, mas exclusivamente pela graça! É um exercício para nós, “não se deixem vencer pelo mal, mas vençam o mal com o bem.” (Romanos 12:21).


Por Jeane Chaves Ramos